Cruzeiro precisa de mais de R$ 30 milhões para colocar finanças em dia; entenda valores

Clube precisa quitar dívida na FIFA que gira em torno de R$ 13 milhões para registrar novos atletas; restante do montante pagaria salários, férias, 13ª e FGTS que estão em atraso

 

greve dos jogadores do Cruzeiro expôs uma chaga aberta no clube mineiro que se arrasta há muito tempo. Os constantes atrasos de salários são a ponta de um problema ainda maior: dívidas passadas e acordos não pagos.

Após empatar com o Botafogo no Independência, e ver como quase impossível o acesso à Série A para 2022, os jogadores do Cruzeiro emitiram carta ao torcedor, informando que não iriam treinar, em protesto contra os salários atrasados.

Enquanto isso, o presidente do clube, Sérgio Rodrigues, estava em Portugal para ministrar palestra em um evento de gestão de futebol na capital Lisboa. O mandatário retornou ao Brasil na quinta-feira, tendo que lidar com a greveSe reuniu na sexta com empresários parceiros, dando início à busca por uma solução. Também conversou com lideranças do elenco.

No domingo, os jogadores do elenco profissional já voltaram aos treinos na Toca da Raposa II. A diretoria apresentou um detalhamento da dívida com funcionários e atletas: R$ 9 milhões. O ge detalha abaixo por quê o time mineiro precisa de mais de R$ 30 milhões para conseguir entrar no próximo ano minimamente estabilizado para um planejamento de temporada.

Salários atrasados

Além do atraso nas folhas, o clube vem fracionando o pagamento de parte de seus funcionários e atletas há alguns meses, o que ampliou o passivo trabalhista. Há também casos de funcionários que saem de férias e não recebem o que lhes é de direito. Somado a isso, o clube tem as folhas dos próximos meses a vencer (outubro, novembro e dezembro), além de 13° e férias.

O Cruzeiro ainda acumula outros compromissos trabalhistas em atraso, como férias, 13ª salários, FGTS deste ano ano e também de 2020 com parte dos funcionários.

Na chegada de Vanderlei Luxemburgo ao time, o diretoria recebeu um aporte de R$ 8 milhões, referentes ao patrocínio master de 2023, para pagar os vencimentos de todos os funcionários, mas o recurso acabou sendo direcionado apenas para o profissional.

Sem dinheiro em caixa, o clube precisaria de, pelo menos, de R$ 20 milhões para colocar em dia os pagamentos e garantir pagar em dia as folhas que ainda estão por vencer. Só com a equipe profissional, o débito está na casa dos R$ 5 milhões de reais.

Dívida FIFA

Outro ponto importantíssimo que o clube trabalha é com o pagamento da dívida da FIFA que hoje o impede de registrar jogadores. O Cruzeiro sofre com os dois transfer ban na entidade.

Para se livrar disso, o clube precisa pagar os poucos mais de R$ 14 milhões dos impedimentos de registro de atletas por causa das dívidas com o Defensor, do Uruguai (compra de Arrascaeta) e também com o Mazatlán FC, do México (pela aquisição de Riascos).

Em campo

Saindo dos bastidores e indo para o campo, o Cruzeiro está prestes a disputar sua terceira Série B consecutiva. O time tem 39 pontos na competição e está na 11ª posição. Para conseguir acesso, time precisa vencer as oito partidas restantes e contar com outros resultados.

A permanência na Segunda Divisão também implica em menos receita para o clube, uma vez que as verbas recebidas de transmissões também são menores. A próxima partida do time mineiro é contra o Avaí, na Ressacada, na sexta-feira, dia 22.

Fonte:ge.globo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.