Análise: Cruzeiro tem volume, mantém crescente de evolução, mas esbarra em falta de precisão

Raposa termina jogo com 25 finalizações contra três do Botafogo, mas fica no empate – são 15 jogos dividindo pontos com rivais na Série B; ataque teve chances, mas faltou objetividade

Na etapa complementar, o treinador fez alterações e promoveu a estreia do jovem Vitor Roque, de apenas 16 anos. Apesar de toda a expectativa da torcida em cima do jovem da base cruzeirense, ele ficou em campo apenas 18 minutos. O atacante teve até uma boa chance logo que pisou em campo, chegando com perigo pela direita, mas não aguentou o ritmo de jogo pegado, e, cansado, foi substituído por Keké. A torcida entendeu o cansaço, mostrou paciência e aplaudiu o garoto na saída de campo.

Eduardo Brock ainda perdeu um gol inacreditável no fim do jogo. Depois de uma troca de passes entre Rômulo e Adriano pela direita, o volante cruzou e a zaga botafoguense se atrapalhou, deixando a bola sobrar na pequena área. O zagueiro chegou chutando, mas pegou mal e mandou para fora, quase sem goleiro. Léo Santos, de cabeça, também teve chance no fim e mandou pela linha de fundo.

Apesar de todo o volume, das boas atuações individuais e do coletivo ter funcionado mais uma vez, o Cruzeiro somou mais um empate no Brasileirão (é o time que mais dividiu pontos com os adversários em toda a Série B – 15 igualdades), e diminuiu as chances de acesso à Série A. Com 39 pontos, na 11ª posição, Raposa está a nove pontos de distância para o G-4.

A cada rodada que passa, a Raposa vê o sonho do retorno à elite do campeonato mais difícil. Agora, são oito jogos até o fim da temporada e, para chegar a 63 pontos (máximo que o clube pode conquistar), precisa ganhar todas as partidas e ainda contar com tropeços adversários para, enfim, entrar no G-4 .

Na próxima rodada, Cruzeiro encara o Avaí, mais um adversário da parte de cima da tabela. A partida ganha ainda um estigma de decisão. Com o resultado da noite dessa terça, a Raposa precisa vencer todos os oito jogos para tentar o acesso. Um tropeço diante do time catarinense na próxima rodada coloca fim à briga celeste por algo maior na Série B, e faz a equipe pensar somente em terminar com dignidade na melhor posição possível. Para o treinador e direção, o jogo pode dar o “start ” de planejamento para 2022.

Fonte:ge.globo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.