América vence a Ponte, avança na Copa do Brasil e garante mais ‘milhões’ na conta

Coelho joga bem, aplica 3 a 1 na Macaca e embolsará R$ 2, 6 milhões

Depois do inesperado tropeço em casa diante do Figueirense, pela Série B, o América voltou ao Independência, nessa terça-feira, disposto a dar uma resposta positiva. E ela veio em grande estilo, com a classificação para as oitavas de final da Copa do Brasil e o bolso cheio. Com a vitória sobre a Ponte Preta, por 3 a 1, o Coelho avançou no torneio e ainda garantiu mais R$ 2,6 milhões de premiação. Felipe Azevedo, Alê e Rodolfo marcaram para os mineiros, enquanto Apodi descontou, já nos acréscimos.

O América, que no duelo de ida, em Campinas, buscou empate em 2 a 2 no fim, repetiu feito alcançado em 1998, quando chegou às oitavas de final passando pelas fases iniciais da Copa do Brasil – em 2018 o alviverde entrou direto nessa fase como campeão da Série B no ano anterior. Na ocasião, o Coelho parou no Sport, com empate no Horto (3 a 3) e derrota em Recife (2 a 1). Além disso, o time mineiro, que já embolsara R$ 4,69 milhões de premiação nesta edição, terá mais R$ 2,6 milhões nos cofres por disputar a etapa seguinte.

Os confrontos das oitavas de final serão definidos em sorteio na CBF, na semana que vem. A próxima fase terá a presença dos clubes que disputam a Copa Libertadores: Flamengo, Palmeiras, Santos, São Paulo, Grêmio, Internacional e Athletico-PR. A exemplo do América, o Juventude, que também está na Série B, avançou no torneio ao eliminar o CRB, outro que participa da segunda divisão nacional.

Com a missão cumprida na Copa do Brasil, as atenções do América se voltam para a Série B. Em busca da recuperação após tropeço diante do Figueirense, o Coelho visita a Chapecoense nesta sexta-feira, às 19h15, na Arena Condá, no interior catarinense, pela 11ª rodada. Será um confronto direto pelo G4, já que os dois times estão com 17 pontos – a equipe do Sul tem duas partidas a menos e leva vantagem no saldo de gols: 5 a 2.

O JOGO

O América começou em ritmo frenético no ataque. Com menos de 30seg, Juninho chutou, Ivan espalmou e Alê desperdiçou o que seria o gol relâmpago. Aos 2min, Rodolfo cruzou da esquerda e Léo Passos emendou com desvio na defesa. A Ponte Preta tentou sair do sufoco inicial para evitar que a pressão resultasse em desvantagem. Mas a Macaca, que até equilibrou o jogo por um tempo, foi pouco eficiente no setor ofensivo. Tanto que o goleiro Matheus Cavichioli só trabalhou uma vez, em chute fraco de Matheus Peixoto.

O América mostrou jogo intenso, principalmente pela direita, com Diego Ferreira e Juninho chegando com facilidade para os cruzamentos. A movimentação dos homens de frente confundiam a marcação, e as chances foram surgindo. Aos 23, Felipe Azevedo ajeitou da entrada da área e chutou rasteiro. A bola tocou na trave direita de Ivan. De tanto insistir, o atacante não desperdiçou nova oportunidade. Aos 31, Juninho chegou pela direita e cruzou na medida para cabeçada certeira do camisa 10: 1 a 0.

O gol complicou para a Ponte, que se perdeu e não conseguia prender a bola no campo de ataque. E a marcação também deixou a desejar, o que levou o América a aumentar a vantagem. Aos 36, outra jogada pela direita, dessa vez com Diego Ferreira. Ele cruzou e Alê, de frente para o gol, desviou com tranquilidade: 2 a 0. O Coelho não diminuiu o ritmo e seguiu em busca do terceiro, deixando Lisca satisfeito com a produção na primeira etapa.

Com alterações e depois da bronca do técnico João Brigatti, a Ponte Preta voltou mais atrevida para o segundo tempo. Mesmo mais presente no campo ofensivo, a Macaca ainda não conseguia chegar com perigo ao gol de Cavichioli. O América, em ritmo mais lento, manteve a organização, mas Lisca não gostou da postura menos imponente e pediu para os jogadores continuarem atacando.

A tarefa do Coelho foi facilitada com um pênalti em lance bobo de Bruno Reis. O zagueiro tomou a frente de Diego Ferreira, mas bobeou e permitiu a recuperação do lateral-direito, derrubado na área. Na cobrança, aos 17, Rodolfo bateu no alto, sem chance para Ivan, praticamente decretando a classificação dos mineiros: 3 a 0.

O terceiro gol foi um golpe duro para os visitantes, que ainda mostraram luta para ao menos diminuir o marcador. O América manteve a atenção e, com mais tranquilidade pela larga vantagem, construiu bons lances. Em um deles, Léo Passos, que brigou muito com a defesa da Macaca, quase foi premiado com um gol ao chutar com perigo. O time de Campinas descontou já nos acréscimos, aos 47, em belo chute de Apodi: 3 a 1. Mas nada estragou a festa alviverde no Horto.

AMÉRICA 3 x 1 PONTE PRETA

AMÉRICA

Matheus Cavichioli; Diego Ferreira, Eduardo Bauermann, Messias e Sávio (Lucas Luan); Zé Ricardo, Juninho e Alê (Marcelo Toscano); Léo Passos (Ademir), Rodolfo (Guilherme) e Felipe Azevedo (Neto Berola)

Técnico: Lisca

PONTE PRETA

Ivan, Apodi, Wellington Carvalho, Alisson (Neto Moura) e Guilherme Lazaroni (Ernandes); Bruno Reis, Oyama (Danrley) e João Paulo; Moisés (Guilhermre Pato), Bruno Rodrigues e Matheus Peixoto (Zé Roberto)

Técnico: João Brigatti

 

Motivo: jogo de volta da quarta fase da Copa do Brasil

Data: terça-feira, 22 de setembro

Local: Independência, em Belo Horizonte

Árbitro: Dyorgines José Padovani de Andrade

Auxiliares: Fabiano da Silva Ramires e Cleriston Clay Barreto Rios

GOLS: Felipe Azevedo, 31, Alê, 36min do 1ºT; Rodolfo (pênalti), 17, Apodi, aos 47min do 2ºT

Cartões amarelos:  Alê, Léo Passos (AME); Guilherme Lazaroni, Oyama, Neto Moura (PON)

 

 

 

Superesportes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.