‘Quem vai ficar com o Cruzeiro?’: 2019 foi temporada de ‘birutas’ na Toca

Trágico se não fosse cômico, cômico se não fosse trágico. Mas no fim, nada de engraçado para a torcida celeste. Assim foi a temporada do Cruzeiro, repleta de episódios sofríveis e polêmicas. Nessa quinta-feira (12), houve mais um capítulo da franquia desse faroeste pastelão, protagonizado pelos “cabeças pensantes” do clube, em que cada um tenta bancar o “xerife”, disparando declarações contraditórias para todos os lados. Demitido do cargo de gerente de futebol. Zezé Perrella definiu o presidente da agremiação, Wagner Pires de Sá, como “biruta de aeroporto”. Nas redes sociais, em protesto, a China Azul não perdoou: “O Cruzeiro é mesmo comandado por ‘birutas’”.

No decorrer do ano mais triste da história do Cruzeiro, os torcedores ficaram embasbacados com o arsenal de “bizarrices” oriundos dos dirigentes do clube em 2019. A começar pelo óbvio: o presidente Wagner Pires de Sá, o ex-diretor-geral Sérgio Nonato e o ex-vice-presidente de futebol Itair Machado não souberam se defender das denúncias divulgadas no programa “Fantástico” no dia 26 de maio – entre elas, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Na ocasião, o clube divulgou uma nota desmentindo a reportagem antes mesmo de ela ser exibida.

Dali em diante, um episódio pior que o outro, com direito a ameaças de Itair a um jornalista na Toca, Wagner Pires gravando vídeos em que gagueja bastante e o polêmico retorno de Zezé Perrella.

Perrella, inclusive, colecionou capítulos em que caiu em contradição. Em um deles, como presidente do Conselho Deliberativo, rotulava Wagner como “Rainha da Inglaterra” e exigia a saída dele do clube. No entanto, voltou atrás ao ser designado como gestor de futebol em outubro, após a saída de Itair, e chegou a defender o mandatário. Nessa quinta, porém, alterou novamente o discurso: “Ontem (quarta-feira) sugeri que ele renunciasse, pois a presença dele não é boa para o Cruzeiro. Ele disse que não renunciaria”.

E teve mais. Flagrado numa churrascaria conversando com Nonato e Wagner Pires de Sá, há um mês, o então gestor de futebol tentou explicar o encontro. Em nota, no dia 12 de novembro, Perrella destacou: “Sérgio Nonato não é mais funcionário do clube, porém existem contratos comerciais e outras decisões tomadas por ele que precisamos entender, renegociar ou até renová-los. O ex-funcionário não frequenta mais a sede do clube. Por isso nos reunimos em um ambiente público sem restrição”.

Nesta quinta, no entanto, Perrella deu um depoimento diferente a respeito da atuação de Serginho no Cruzeiro. “Tenho um sentimento que quem pediu a minha cabeça foi o senhor Itair Machado e Sérgio Nonato, que continuam dando palpites no Cruzeiro. Várias pessoas ligadas a eles foram desligadas do clube e ficaram incomodadas com isso”, afirmou.

Em meio a tanta briga nos bastidores, o certo é que o Cruzeiro permanece uma bagunça, Wagner continua, e “Marcinho Atacado”, vice na Era Gilvan, é o vice também para 2020. Pelo menos até um novo capítulo dessa fanfarrona saga emergir em nova reviravolta. Já diria Adilson Batista: “Vamos aguardá”.

 

Fonte: Hoje em Dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.