Rogério Ceni sobre passagem pelo Cruzeiro: ‘Teria feito as coisas acontecerem’

Técnico de 46 anos ainda não definiu futuro para temporada 2020

A ascensão do Fortaleza na reta final do Campeonato Brasileiro sob o comando de Rogério Ceni fez a imprensa cearense questionar o treinador se a interrupção do trabalho no Leão para dirigir o Cruzeiro, em agosto e setembro, teria sido um erro. Com 50 pontos na disputa, o clube ficou muito perto de brigar por uma vaga na Copa Libertadores e assegurou classificação inédita à Copa Sul-Americana de 2020.

Em sua resposta, Ceni destacou que aceitou o convite do Cruzeiro naquele momento pelo desafio de dirigir um dos grandes do futebol brasileiro e pensando que teria autonomia para promover mudanças. Para a surpresa dele, o departamento de futebol, então comandado por Itair Machado, decidiu abortar o projeto.

“Meu pai sempre falou, quando eu era garoto, que na vida você só acerta e erra se tomar decisões. Quem não toma decisão na vida… Eu, quando era goleiro, eu batia faltas. E batia pênaltis. E eu perdia e eu acertava. Mas eu tomava as decisões. Então, na vida é assim, se toma decisões, e eu não vejo como um erro porque o Cruzeiro é uma grande equipe do futebol brasileiro, passa por um momento extremamente complicado e difícil na parte administrativa, mas é um dos grandes, não deixa de ser um dos grandes do futebol brasileiro. E me contrataram pra, eu entendi que era para fazer as coisas acontecerem. Eu tenho certeza que teria feito as coisas acontecerem. Mas, existem escolhas, como falamos antes”, respondeu Ceni depois do empate por 0 a 0 com o Fluminense, no Rio, pela 37ª rodada.
A intenção do treinador é levar o Fortaleza aos 53 pontos no Campeonato Brasileiro na rodada derradeira. No domingo, às 16h, o Leão receberá o Bahia no Castelão. Em seguida, ele definirá o seu futuro: a permanência ou o aceite a um novo projeto.
“Nós temos até sexta-feira da semana que vem, foi o que foi combinado para dar uma resposta. Até semana que vem a gente vai sentar. Segunda-feira eu tenho que estudar, mais dez dias de curso de treinador (na Granja Comary, em Teresópolis), mas a gente deve conversar até o final de semana e vamos ver a possibilidade de ficar ou de seguir em frente. É uma decisão muito difícil, mas tem que ser tomada em alguma momento”, concluiu o treinador de 46 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.