Chega de demissões? Presidente do Atlético cita desejo antigo e diz que quer manter Levir até o fim do mandato

Sérgio Sette Câmara apresentou o técnico nesta quinta na Cidade do Galo

O mandato de Sérgio Sette Câmara no Atlético ainda não completou um ano, mas o clube, sob seu comando, vai para o terceiro treinador na temporada. Na tarde desta quinta-feira, Levir Culpi, desejo antigo do presidente alvinegro, foi apresentado. O mandatário, que já quis contratar o treinador no início de 2018, espera que ele seja o último a ser apresentado até o fim de sua gestão, que se encerra em 2020.

O clube iniciou a temporada com Oswaldo de Oliveira, último técnico da era Daniel Nepomuceno no Atlético, que durou apenas seis jogos em 2018. A primeira opção era Levir Culpi, que estava no Cerezo Osaka, do Japão. Como não conseguiu acertar com o treinador, optou por manter Thiago Larghi, primeiramente como interino, e depois como comandante efetivo.

“É com imensa satisfação que eu venho aqui hoje para apresentar nosso novo comandante, o Levir Culpi. Essa é a quinta passagem do Levir aqui no Atlético. Nossa aposta é que ele vá ter mais uma jornada de muito sucesso, como foram as outras quatro. Nós acreditamos muito no trabalho do Levir. Eu, particularmente, queria muito que ele tivesse vindo para cá no início do ano, mas, infelizmente, ele estava no Japão. Eu tentei através do Domênico um contato, mas não foi possível naquela oportunidade. Naquela oportunidade foi quando procurei o Levir e ele estava empregado no Japão. Procuramos por outros treinadores, não muitos, que no meu modo de ver se encaixariam aqui dentro do clube. Como não encontramos nenhum que no nosso modo de ver atenderia aos nossos anseios, entendemos por apostar no Thiago. Ele vinha já de um trabalho com Oswaldo, tinha trabalhado com Felipão, tinha feito estágio fora do Brasil. Agora, entendemos que havia necessidade de mudança”, disse Sette Câmara, que desejou sorte a Thiago Larghi, demitido nessa quarta.

“Agradecemos muito ao Thiago Larghi. Ele é uma ótima pessoa, um rapaz de muito brio. Eu tenho muita gratidão a ele, muito respeito, muita admiração. Ainda novo, assumiu um time que tem uma torcida importante, um time que tem uma camisa grandiosa. E ele enfrentou os desafios, ele foi corajoso. Então, eu tenho que deixar bem clara a minha palavra de muito agradecimento e muito sucesso a ele. Eu tenho certeza que ele vai trilhar um caminho de muitas conquistas. Voltando a falar do Levir… O Levir já é conhecido de todos nós aqui. A gente sabe da capacidade do Levir. Ele é um ganhador e veio para cá para ser campeão. Por isso, fomos buscar o Levir. Fui pessoalmente a Curitiba juntamente com o Lásaro. Lá estivemos durante todo o dia de ontem conversando com ele. Mais à noite, chegamos a um consenso. Graças a Deus, fechamos um contrato que vai se iniciar agora e vai até o final de 2019. Eu efetivamente espero que vá até o final do meu primeiro mandato”.
Em sua última entrevista como treinador do Atlético, Thiago Larghi deu a entender que o clube estava no limite por causa da falta de qualidade do elenco alvinegro. Sette Câmara defendeu as contratações feitas e disse que o time só fez um grande investimento, no colombiano Yimmi Chará (mais de R$ 24 milhões). O jogador é titular absoluto da equipe.
“O que ele podia fazer de diferente? A minha identificação acho que não é só minha, acho que a torcida inteira identificou. Há alguns jogos, o time caiu de rendimento. A própria torcida andou reclamando. Eu, como torcedor, não estava satisfeito com o que via. Há alguns dias, vinha analisando essa situação e imaginando o que deveria ser melhor para nosso futuro. Acho que o que aconteceu é que não tem a ver com a mudança no meio do ano, não foram tantas peças assim: trouxemos Chará para o lugar do Róger Guedes, é uma mudança de estilo, mas é um grande jogador. Nós fizemos basicamente 17 contratações sem gastar dinheiro. Isso é muito difícil. Jogador que chega para vestir a camisa custa caro. Esse jogador foi o Chará. Fomos ao mercado para suprir uma ausência. Já prevendo que poderia acontecer a saída do Guedes, fomos ao mercado buscar um jogador caro. Outros jogadores foram apostas. Nessas condições de dificuldades financeiras temos boas respostas e não muito boas assim. Se eu tivesse o saco de dinheiro que o Palmeiras tem, eu também acertaria bastante. Outros também que vieram para cá vão fazer muito sucesso ainda e vão trazer muitas alegrias para a torcida do Atlético e também vão trazer recursos. É o caso por exemplo do Emerson, que buscamos na Ponte Preta. É um jogador que, com 19 anos, Seleção Brasileira de base, titular do Atlético, é um jogador para a próxima Copa do Mundo, talvez. Talvez não dure muito aqui. É um fenômeno que talvez não possamos segurar. A dificuldade de segurar um jogador no elenco no Brasil é enorme. Recebi num espaço de três horas mais de 50 ligações do Róger Guedes na minha semana de férias. Esse tipo de coisa é difícil de segurar. Eu acho que o Terans é uma boa aposta, eu acredito muito no Leandrinho também. Não vou ficar citando nomes, mas acho que a gente tem uma safra boa de jogadores jovens. Acho que o Atlético é, dos oito primeiros colocados, um dos elencos mais jovens do Brasil. A gente talvez precise de trazer um pouco de maturação a esse elenco, se Deus quiser, estando na Libertadores do ano que vem. É assim que a gente trabalha. Com erros e com acertos.
É meu primeiro ano aqui na administração do Atlético. Eu sei que poderia ter sido melhor. Poderia, também, ter sido pior, como o ano passado. Nós estamos trabalhando duro, dia a dia, com muita honestidade, e buscando o que tem de melhor para o Atlético. Foi o que eu acabei de fazer. Acho que eu busquei o que tem de melhor para treinar o Clube Atlético Mineiro e fazer com que a gente tenha um ano de 2019 muito melhor”, disse.
Sem obrigação de Libertadores
O técnico Thiago Larghi, enquanto esteve no comando do Atlético, sempre ressaltou o objetivo de brigar pela vaga na Copa Libertadores. Com a chegada de Levir Culpi, o presidente Sérgio Sette Câmara disse que não existe a palavra ‘obrigação’ para confirmar a classificação.
“Essa palavra aí, essa ‘obrigação’ não existe. Foi falada ano passado e no meu modo de ver, de forma equivocada. O que existe é trabalho, seriedade, sentimento”.
Cutucada
Apesar de não ter conquistado títulos na atual temporada, o presidente Sérgio Sette Câmara fez uma boa avaliação de seu trabalho no primeiro ano como mandatário do Atlético. Ele ainda fez questão de falar que o ano é melhor do que o de 2017, o último de Daniel Nepomuceno à frente do Alvinegro.
“Sei que poderia ter sido melhor e pior, como no ano passado (o primeiro ano). Acho que busquei o que tem de melhor para treinar o Atlético e fazer com que a gente tenha um ano de 2019 muito melhor”, concluiu.
Da redação:superesportes

Sincerão, Levir diz ter pouco conhecimento do elenco do Atlético e planeja esquema simples: ’10-10′

Técnico não imagina, neste começo de trabalho, a volta do estilo ‘Galo Doido’

Levir Culpi foi sincero em sua primeira entrevista coletiva no retorno ao Atlético: ele conhece pouco do atual elenco alvinegro. O treinador revelou que assistiu poucas partidas do time na atual temporada. Sendo assim, ele vai precisar de tempo para entender como cada jogador vai render melhor em campo e qual será o esquema tático mais propenso a dar resultados positivos ao Alvinegro até o fim de seu contrato.

“Eu, na verdade, tenho pouco conhecimento. Assisti a poucas partidas do Atlético. Tenho pouco conhecimento do elenco. Quero conhecê-los nos treinamentos e também nos jogos para ter a minha visão da capacidade deles, inclusive para definir plano tático. Não tem plano tático definido antes de vê-los. Às vezes, as coisas acontecem naturalmente. Quero observá-los primeiro para depois tomar uma decisão tática de escalação”.

Da última passagem de Levir pelo Atlético restam poucos jogadores: o goleiro Victor, o lateral-direito Patric, o zagueiro Leonardo Silva, o volante Lucas Cândido e o atacante Luan. Além deles, o treinador trabalhou com Ricardo Oliveira no Santos. O restante teve o primeiro contato com o novo comandante nessa quinta-feira.
Quando Levir saiu, no fim de 2015, o Atlético tinha um estilo de jogo agressivo, de marcação alta. A equipe marcava muitos gols, mas o rendimento defensivo era criticado constantemente. Era o famoso esquema ‘Galo Doido’, que levou o Alvinegro aos títulos da Copa Libertadores, em 2013, e da Copa do Brasil, em 2014. Atualmente, a equipe preza mais pela posse de bola e corre menos riscos em campo.
Levir Culpi afirmou que ainda não pensou qual esquema tático será implantado no Atlético, mas quer um time em que todos ataquem e defendam. “A ideia (para o time) é fazer um sistema mais simples: o 10-10. Ou seja: dez atacam e dez defendem”.
Apesar disso, Levir Culpi já pede uma preparação especial dos hospitais em Belo Horizonte. Afinal de contas, em 2014, o treinador levou o clube a viradas épicas na Copa do Brasil. Ele garante: vai virar a chave atual do Atlético.
“Quero agradecer as palavras do presidente. É um prazer estar aqui mais uma vez, é a quinta. O Gallo aqui também do lado, com a comissão técnica, que conheço quase todos. Me sinto muito bem e forte aqui no Atlético. Em relação ao time, é uma coisa engraçada, porque alguns times reagem de maneira diferente sob alguns comandos. Então, eu quero conhecer alguns jogadores. Ainda temos um período de dez jogos aproximadamente. Nesse período, vou ter oportunidade de definir e conhecer melhor os jogadores. Para conhecer um jogador, é necessário que você tenha um bom ambiente também no clube. Se você não proporciona um bom ambiente aos jogadores, você não tira nada deles. É como nós. Nós temos que estar em um lugar onde nós possamos nos sentir bem. A produtividade vem naturalmente. Conversei rapidamente com eles hoje para falar sobre isso. Quero observar alguns jogadores, porque o Atlético tem um elenco que eu considero bom. Tem bons atletas. O número de atletas também é alto, não é um elenco pequeno. Não é tão difícil. Se você fizer um número de gols, de assistências, temos uma maneira de dizer se foi baixo ou alto o nível de produtividade. Realmente, o Atlético ficou aquém do que pode oferecer. Mas ficou aquém por quê? Esses jogadores podem oferecer mais do que isso. Talvez isso tenha acontecido também. Esse período é importante para eu conhecê-los e para tomar algumas decisões já para a temporada que vem. Aí você conhece uma pré-temporada diferente, com espírito, um ambiente diferente, um objetivo diferente. E tenho certeza que juntos mais uma vez vamos virar isso aqui. Vamos virar, e o Atlético vai voltar a aumentar o número de pessoas que frequentam os hospitais aqui de BH”, concluiu.
Da redação:superesportes

Cavani parabeniza Arrascaeta por título da Copa do Brasil, e torcida pede contratação do atacante

Após a felicitação, cruzeirenses pediram a contratação do uruguaio do PSG

O atacante Edinson Cavani, do Paris Saint-Germain, parabenizou o meia cruzeirense Giorgian De Arrascaeta pelo título da Copa do Brasil de 2018. O troféu foi conquistado nessa quarta-feira, após o Cruzeiro bater o Corinthians por 2 a 1, na Arena Corinthians, em São Paulo, pelo jogo de volta da final.

O atacante Edinson Cavani, do Paris Saint-Germain, parabenizou o meia cruzeirense Giorgian De Arrascaeta pelo título da Copa do Brasil de 2018. O troféu foi conquistado nessa quarta-feira, após o Cruzeiro bater o Corinthians por 2 a 1, na Arena Corinthians, em São Paulo, pelo jogo de volta da final.
“Quero te parabenizar amigo. Não deu para fazer isso pessoalmente, mas queria deixar público por você é um exemplo, pelo que fez nesses dias. Viajou milhares de quilômetros para vestir a camisa da seleção e depois voltar, sacrificando muitas coisas voltando para a sua equipe, para um jogo tão importante. Parabéns companheiro, pois você viajou muitos quilômetros e isso tem que ser falado. Não apenas por isso, você é um exemplo, por isso quis deixar esse recado público. Quero te parabenizar e desejar o melhor. Isso é algo para se destacar. Somos companheiros de seleção, e você merece muito. Te amo muito”, disse o atacante do PSG, em vídeo divulgado nas redes sociais.
Cavani e Arrascaeta são parceiros na Seleção Uruguaia e atuaram juntos na Copa do Mundo da Rússia, quando os celestes foram até as quartas de final. Após a mensagem, vários torcedores cruzeirenses pediram para que o atacante atuasse ao lado do camisa 10 no Cruzeiro. Veja algumas interações entre os usuários do Twitter e o astro do PSG.
Um dos maiores ídolos da história do PSG, Cavani já marcou 176 gols em 254 partidas oficiais pelo clube e conquistou 16 títulos – quatro edições do Campeonato Francês, cinco da Copa da Liga Francesa, três da Supercopa da França e quatro da Copa da França. O craque está vinculado à agremiação parisiense até junho de 2020.
Da redação:superesportes

 

shop giày nữthời trang f5Responsive WordPress Themenha cap 4 nong thongiay cao gotgiay nu 2015mau biet thu deptoc dephouse beautifulgiay the thao nugiay luoi nutạp chí phụ nữhardware resourcesshop giày lườithời trang nam hàn quốcgiày hàn quốcgiày nam 2015shop giày onlineáo sơ mi hàn quốcshop thời trang nam nữdiễn đàn người tiêu dùngdiễn đàn thời tranggiày thể thao nữ hcm